Montagem de Andaimes • A SH explica!

Os andaimes são feitos com Tubos unidos por intermédio de acessórios que funcionam como acoplamentos. Esses acessórios são fixados por parafusos e porcas que se ajustam conforme o aperto feito por uma ferramenta: a Chave de Catraca.

Existe uma maneira certa de usar a Chave de Catraca. Não se deve apertar exageradamente os parafusos com consequência de provocar o amassamento do tubo e/ou o comprometimento dos fios de rosca dos parafusos. O aperto normal, feito por profissionais com experiência em montagem, geram torques que variam entre 6,0 e 9,0kgf.

Montados de maneira a formar uma estrutura, cada elemento tubular do andaime tem um nome especial.

Denominações do andaime Tubular

Poste: tubos que ficam na posição vertical;

Longarinas: tubos horizontais no sentido da maior distância (comprimento) do andaime. As Longarinas são unidas aos Postes utilizando-se Braçadeiras Fixas.

Travessa: tubos horizontais no sentido da menor distância (largura) do andaime. As Travessas são unidas aos Postes usando Braçadeiras Fixas. As Travessas são posicionadas sobre as Longarinas.

Comprimento do Andaime é a maior distância entre os Postes. A Largura do Andaime é a menor distância entre os Postes.

Nível do andaime: o plano onde unimos as Travessas e Longarinas.

 – Altura do Andar: a distância entre Longarinas de diferentes níveis consecutivos.

Diagonal: o tubo inclinado entre dois níveis que pode ser unido aos elementos horizontais com Braçadeiras Fixas ou aos Postes com Braçadeiras Giratórias.

Diagonal Horizontal: tubo horizontal colocado em diagonal entre os Postes. As Diagonais devem ser fixadas o mais próximo possível dos nós formados pelos postes e travessas.

 – Travessa Intermediária: tubo colocado intermediariamente entre as duas travessas que se faz necessário para diminuir o vão de apoio do piso.

Plataforma

Os pisos de trabalhos dos andaimes devem ter forrações completas, antiderrapantes, e serem nivelados e fixados de modo seguro e resistente (NR 18.15.3).

Os pisos são suportados entre Travessas e deverão ter apoios intermediários conforme sua resistência. Devem ficar apoiados com, no mínimo, 15 cm de balanço em cada extremidade e devidamente travados/presos à estrutura nas extremidades. Os pisos devem ficar bem unidos evitando espaços entre as pranchas, assim como as sobreposições de pranchas também devem ser evitadas.

Os pranchões para confecção dos pisos/plataformas de trabalho devem ser de boa qualidade, secos, sem apresentar nós ou rachaduras que comprometam a sua resistência, sendo proibido o uso de pintura que encubra imperfeições (NR 18.15.5).

 As forrações de andaimes feitas com pisos metálicos deverão ser executadas atendendo às normas de segurança do fabricante.

Estabilidade

Torres móveis (com rodízios) não devem ter altura superior a três (3) vezes a menor dimensão da sua base. Os rodízios devem ser providos de travas de modo a evitar deslocamentos acidentais (NR 18.15.26).

 Os andaimes móveis somente poderão ser utilizados em superfícies planas (NR 18.15.27).

É muito importante verificar a resistência dos rodízios. As cargas concentradas nos postes incidirão diretamente sobre os mesmos.

É proibido o deslocamento dos andaimes com pessoas sobre os mesmos (NR 18.15.13).

Os andaimes, quando necessário, devem ser amarrados/ancorados a uma estrutura externa estável. Não é permitida a fixação em tubulações de produtos, equipamentos ou qualquer dispositivo mecânico que comprometa o perfeito funcionamento da planta.

Acesso aos andaimes

Os acessos aos andaimes devem ser feitos de maneira segura (NR 18.15.9).

Os acessos verticais aos andaimes devem ser feitos em escadas incorporadas a sua própria estrutura ou por meio de torres de acesso (NR 18.15.20).

As escadas tipo marinheiro deverão ter degraus a cada 30 cm e guarda-corpo a partir de 2,00m de altura e até 1,00m acima do último piso de trabalho. A cada 9,00m deve possuir uma plataforma de descanso (NR 18.12.5.10) e (18.12.5.10.1).

As escadas construídas com patamares, pisos, espelhos e corrimão/guarda-corpo deverão proporcionar segurança e conforto para os usuários (espelhos com 20 cm, pisos com 30 cm, patamares com 1,00m x 1,00m, no mínimo).

Os rodapés deverão ter 20 cm de altura e serem instalados perpendicularmente aos pisos em todo o perímetro da plataforma de trabalho, proporcionado uma perfeita vedação que evita a queda de objetos.

As estruturas devem ser providas de guada-corpo duplo, instalados a partir do piso de trabalho com 0,70m e 1,20m.

Emenda com Luva – Tração

Quando for necessária a emenda de tubos com utilização de luvas, e que estejam incidindo sobre eles esforços de tração, deve-se fazer um reforço (costura da emenda).

im3

Braçadeiras

Existem três tipos de ligações de tubos comumente conhecidas como “Nó de Braçadeira”: Engastado, Articulado e Ligação ou Nó de Três Braçadeiras.

Contraventamento

A estrutura do andaime deve ser convenientemente contraventada de tal forma a eliminar quaisquer oscilações (NR 18.15.29).

Através das diagonais, combatemos os esforços horizontais (tangenciais) que podem ocorrer na prática por falta de prumo nos postes, vento ou até por deformação da perpendicularidade acarretado pelas cargas de compressão nos postes.

A diagonal forma com a travessa (ou longarina) e o poste um triângulo. E é ele quem dá estabilidade ao plano neste local.

Carga Admissível por Braçadeiras

Por medida de segurança, em função de diversos fabricantes, devemos adotar para o dia a dia:

Carga adm. = 800 kgf (Braçadeira fixa)
Carga adm. = 400 kgf (Braçadeira giratória)
Carga adm. = 400 kgf (Braçadeira de perfil)

Andaimes para içamento de cargas – Pau de Carga -, por mais simples que sejam, devem ser montados conforme orientação de projeto, evitando assim o comprometimento do equipamento que esta sendo içado e o empeno e amassamento dos materiais de andaimes.

Não é permitida a instalação de tifor em estruturas que não tenham sido projetadas para este fim.

Modex®SH

Nas montagens de andaimes com Equipamento de Encaixe SH, o Modex®SH, deve-se proceder quase que da mesma forma que nas montagens com Tubo Equipado.

Os postes tem dois furos na parte inferior: um para o acoplamento de dois postes na vertical (junto com o furo no lado superior), outro para uso da corneta. Os postes não devem ser montados com a luva para cima, porque a solda da roseta impede a montagem correta das travessas. Os postes são acoplados com luvas na vertical. Havendo necessidade, por exemplo, para içamento com grua ou em casos de ventos fortes. Os postes podem ser travados com pinos.

Na falta de diagonal do próprio Modex®SH, utilizar tubo com braçadeira giratória (poste / poste) ou tubo com braçadeira fixa (travessa / travessa). As diagonais horizontais são feitas com tubo e presas ao poste com braçadeiras fixas.

Para nivelamento da estrutura, é possível utilizar, além da base ajustável, as cornetas que devem ser pinadas no furo do tubo do poste e não da luva.

Os esforços nas ligações do Modex®SH (Travessa, Poste, Diagonal), por intermédio da roseta, são analisadas da mesma forma que as ligações feitas com Braçadeiras.

Com travessas e diagonais podem ser montados balanços respeitando as cargas admissíveis listadas na tabela abaixo.

 im8

Material disponibilizado pelo Engenheiro da SH, Davi Ferreira.

SH em empreendimento comercial da Cyrela no sul do país.

Desde dezembro de 2011, a SH participa da obra do Edíficio Comercial Aschneider Absolut Business (foto, ao lado esquerdo, tirada do site da construtora), uma construção da Goldsztein Cyrela Empreendimentos Imobiliários S/A, em Porto Alegre-RS.  A obra prevê a construção de um edifício comercial com salas de 41 a 65 metros quadrados que podem ser integradas e chegarem até meio andar com 333 m² privativos.

O edifício será composto por uma torre comercial, com área de 3.448,57 m², 14 conjuntos por pavimento com um total de 288 unidades, além de 145 vagas de estacionamento. “Esta obra possui um novo conceito comercial, com um empreendimento moderno, funcional e agradável”, conta Diego Andrade, Supervisor de Contratos da Unidade SH em Porto Alegre.

O novo empreendimento da Cyrela possui boa localização e acessibilidade ao aeroporto e ao centro da cidade, além de estar próximo a um dos centros comerciais da região. “Devido ao porte da obra e à localização, o escoramento chamou atenção de quem o executou e também das pessoas que passavam em frente à construção, inclusive outras empresas do mesmo ramo”, ressalta o Supervisor.

Os equipamentos SH em obra foram essenciais para a construção de uma estrutura de 4,40 metros em balanço de 4,40m, onde foram utilizados Perfis Al-22, C-18, C-7,5, Modex®SH, Tubos e Braçadeiras. “Os nossos equipamentos auxiliaram na execução da estrutura em balanço, onde na etapa final havia uma viga de 0,19×1,04 metros, o que resultava em uma carga consideravelmente grande”, explica Franco Menegat, Projetista da SH. Para a obra, foram elaborados projetos de escoramentos escalados em três níveis, utilizando o Perfil Al 22 duplo como apoio e Modex®SH a cada 50 centímetros para atender a capacidade limite de cada equipamento. “Um dos desafios encontrados pela equipe da SH foi apresentar uma solução técnica para atender uma situação com-plicada como a construção da laje e introduzir ao mercado da construção civil novos equipamentos, tal como o Perfil Al 22”, ressalta Franco.